quarta-feira, 6 de março de 2013

Teorema da densidade brasileirística

"Onde quer que eu brasileiro vá, encontrará um semelhante." Eu não acreditava, mas realmente tem brasileiro em todo lugar do mundo. Afinal, nós somos um povo de grande diversidade, então fica fácil pra gente se espalhar pelo mundo, e surpresos ou não, encontramos um aqui em Coventry, ou melhor uma. Eis que estando no subway, já na final pra decidir o que iriamos comer, começamos a conversar entre si - em português claro - e uma alma se anuncia: "Brasileiros?". Festa, encontro de brasileiro num país distante da nossa terra não tem como acabar diferente. Uma brasiliense que mora à 10 anos em Coventry surge em nossas vidas.

Quem melhor pra te dar todas as dicas de uma cidade que não um brasileiro? A gente tem mãnha, e nossa percepção de oportunidades é melhor do que qualquer outro povo. Depois de por todo o assunto em dia, conversa pra cá, conversa pra lá, catamos as dicas essenciais dessa cidade no meio da Inglaterra. Estávamos todos atrás de bicicletas, buscamos em algumas lojas até, mas com orientação ficou mais fácil. Acabou que compramos online, na sports direct, por uma pechincha de 70 pounds. Agora é montado nessa bicicleta pra onde quer que vamos, afinal temos que fazer valer esse dinheiro em um ano aqui, e ainda serve de academia pra pernas, porque as ladeiras de Coventry não deixam sair barato.

Ainda não cheguei à conclusão do nome dela,
então se alguém tiver sugestões, aceito prontamente.
É claro que com uma bicicleta em mãos, morando num país onde os parques são um dos destinos favoritos dos ingleses, não podia faltar um passeio de bicicleta. A escolha da vez foi o War Memorial Park, como o próprio nome já diz, um parque criado em memória aos soldados que pereceram durante as duas guerras mundiais e em sinal de reconhecimento ao trabalho deles ao país, cada árvore do parque tem uma plaquinha representando cada um dos soldados de Coventry. Infelizmente, as árvores continuam aparecendo, agora não por causa das guerras, mas ainda sim existem soldados que morrem em uma causas nos dias de hoje.

Gorro aleatório que surgiu em cima dessa estaca.
Eu só acho que foi o doctor who. Vejam o foguetinho.
O parque é simplesmente enorme. Para nossa surpresa, ao chegarmos lá, estava acontecendo um corrida em prol da causa idosa.

We campaign on the things that matter to all of us as we get older. 
Sometimes the problems we face in later life just can't be tackled on our own.  

Tinha muita gente relativamente idosa correndo, e eles não estava lá pra vencer, nem pra somente competir. Elas queriam realmente apoiar uma causa. Não tinha como não prestar atenção nos parentes que esperavam ansiosos pelos pais ou mesmo avós na linha de chegada, os papeis invertidos mas sentimentos mesclados. Deu muita vontade de participar, nem que seja pra ter um ataque cardíaco no meio ou ir rolando até a linha de chegada, mas veremos se a oportunidade aparecerá.

Uma hora e 19 minutos. Tinha muito jovem que já tinha acabado e muitos velhinhos na labuta,
mas mesmo assim não vi ninguém desistindo. Pense duas vezes antes de ter preguiça agora.
Demos uma volta completa no parque, e cenários interessantes não faltaram.


Eu ainda descubro a história por trás do brasão de Coventry.

Cada árvore representa uma alma, e cada alma está eternizada em outra vida,
que cria raízes numa cidade repleta de cicatrizes culturais.
A lembrança de um guerreiro.
O Brasil estava jogando uma bolinha no parque e a gente não sabia. 
Uma vez que as portas são abertas, você se encontra no meio daquilo
que guerras só trazem: memórias dolorosas e nada mais.
O sol estava de brincadeira. Se escondeu a manhã toda debaixo do seu cobertor de nuvens, ele estava como eu fico todo dia de manhã, sem querer sair do edredom, mas por pirraça, quando estávamos nos despedindo do parque, ele resolveu dar o ar da graça, ou melhor a luz da graça. 

Primeiro, o cobertor saiu.
Enfim, o menino sol saiu da cama.
Pra selar o ritual inglês, fomos almoçar num simpático pub inglês chamado Brown's e eu não podia deixar de escolher um prato britânico, no caso a escolha foi Shepherd's Pie, um prato irlandês.

Torta de carne de carneiro, com uma crosta de purê de batatas,
acompanhada de batatas assadas, arroz e salada. Água na boca hein?
O que eu achei? Eu curti. A primeira provada é bem diferente, o tempero não é parecido, claro que pode ser o carneiro, não estou acostumado com essa carne, mas enfim, comi tudinho e se eu não tivesse gostado, não tinha comido. Sério. Ah, destaque pro pôster dos Beatles que chamou atenção na parede.


E como se o sol tivesse dado um sinal, ontem foi o dia mais quente do ano, até agora em Coventry. Houveram boatos que ingleses saíram de casa com seus shorts e sandálias, enquanto eu estava em casa, no 'calor' - pior que fez calor mesmo - mas pra compensar, botei meus picolés, os quais comprei 20 por 3 pounds, e todo são muito bons, pra fazer valer a pena, e claro tentar trabalhar no mar de assignments(trabalhos) que temos que fazer.

O problema é que depois de muito tempo trabalhando na mesma coisa, você meio que perde todo o saco do mundo pra fazer isso, então o resultado é mais ou menos isso.


Basicamente o que resta é esperar que o trabalho saia aceitável. A deadline está chegando. Me desejem sorte.

Gostou da postagem? Compartilhe através das redes sociais disponíveis nos botões logo abaixo. Curta também a nossa fanpage no facebook aqui.

Um comentário:

  1. Você é um querido! Aliás, vocês todos. Eu fico muito feliz por vocês terem me acolhido no grupo de vocês e super contente em poder contribuir para uma experiência positiva de Coventry. Respondendo a sua pergunta sobre os brasões de Coventry, aqui explica direitinho, além de outras curiosidades:http://www.historiccoventry.co.uk/history/history.php#arms

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...